quinta-feira, 13 de novembro de 2014

DIA DA LIVRARIA E DO LIVREIRO, UM DIA DE FESTA.


O Dia da Livraria e do Livreiro é um dia de festa! 
Festa da livraria! Festa do livreiro! Festa do leitor!

BOA(S) FESTA(S)!





Quando alguém está numa leitura e levanta os olhos como se estivesse a apreender com muito mais Quando alguém intensidade o que acaba de ler, é esse o momento em que esse alguém fica totalmente envolvido, como se pensasse: «isto é meu, isto tem a ver comigo». Cada um tira da leitura o que necessita. 

José Saramago


LIVREIRO DA ESPERANÇA 

Há homens que são capazes 
duma flor onde 
as flores não nascem. 
Outros abrem velhas portas 
em velhas casas fechadas há muito 
outros ainda despedaçam muros 
acendem nas praças uma rosa de fogo. 
Tu vendes livros quer dizer 
entregas a cada homem 
teu coração dentro de cada livro.

Manuel Alegre, Praça da Canção, 1965






MAIS INFORMAÇÃO: Dia da Livraria e do Livreiro    ADESÕES: dialivrarialivreiro(arroba)gmail.com

Com a adesão devem ser enviados dados e foto da livraria e descrição da iniciativa específica do Dia da Livraria e do Livreiro. Este ano, como o dia 30 é domingo, poderão os livreiros, se assim o entenderem, alargar os festejos a toda a semana anterior.


quarta-feira, 12 de novembro de 2014

I ENCONTRO LIVREIRO DO PORTO E GRANDE PORTO


clicar na imagem para a aumentar

Recebemos e divulgamos a seguinte mensagem, enviada pela livreira Dina Ferreira (Poetria), uma das dinamizadoras do I Encontro Livreiro do Porto e Grande Porto:

O Encontro Livreiro do Porto e Grande Porto está em marcha e promete ser um feliz acontecimento. 

Para além do convívio e da boa onda que inevitavelmente vão pairar entre livreiros e gentes do livro, vamos ter cinema, dança, música, poesia, a partir das 15h.

Tragam as vossas palavras, a vossa energia e a vossa esperança inabalável no futuro.
Partilhem as vossas experiências e os vossos anseios. Desvendem-nos os vossos milagres de cada dia - como os que estão a acontecer em Óbidos, a Vila literária e as suas 7 livrarias encantadas.

Livreiros de todo o país, lembrem-se que logo após o corte do cordão umbilical entre o autor e o livro, são os livreiros os primeiros a acolhê-lo nas suas mãos e a afagar (lembrando o belíssimo poema que Eugénio de Andrade dedicou aos livros) "a sua cálida, terna, serena pele...). Só depois os livros seguem o seu caminho, procurando a "amorosa companhia" dos leitores.

Juntamos o cartaz e convite para divulgação pelos vossos contactos. Convidem quem vos aprouver, desde que ame os livros "como nenhuns outros companheiros da alma".

clicar na imagem para a aumentar

Nesta altura do campeonato, precisamos que os que já se inscreveram para o almoço nos confirmem essa intenção. 

Aos que não almoçam, agradecemos nos confirmem a sua presença - na Lello, a partir das 15h -, para podermos criar as melhores condições de logística, espaço e conforto.

Pelo Encontro Livreiro do Porto e Grande Porto,

Poetria
Dina Ferreira




Apelamos a que todos colaborem na divulgação desta iniciativa e a que, estando no Porto ou perto, nela participem activamente.

ISTO NÃO FICA ASSIM!

Encontro Livreiro
Setúbal, 12 de Novembro de 2014

sexta-feira, 7 de novembro de 2014

NO PORTO OU PERTO… MAS NÃO SÓ.


Recebemos e divulgamos uma mensagem, enviada pela livraria Poetria, sobre o próximo I ENCONTRO LIVREIRO DO PORTO E GRANDE PORTO. 

Relembramos que o Encontro Livreiro não é apenas um Encontro DE Livreiros. É UM ENCONTRO ABERTO À PARTICIPAÇÃO DAS GENTES DO LIVRO e parte do princípio de que as livrarias — como espaço privilegiado da promoção e da mediação da leitura — não se salvam isoladamente e fechadas sobre si próprias e precisam de criar um movimento de permanente cumplicidade entre as gentes do livro, do autor ao leitor, passando por todos e cada um dos intervenientes na cadeia do livro.

Apelamos a que todos colaborem na divulgação do I Encontro Livreiro do Porto e Grande Porto e a que, estando NO PORTO OU PERTO, participem activamente neste importante momento de um movimento que nasceu, vai para cinco anos, em Setúbal.

ISTO NÃO FICA ASSIM!

Encontro Livreiro
Setúbal, 7 de Novembro de 2014



«Caríssimos Colegas,

Queremos que este Encontro seja uma fantástica ocasião para nos conhecermos melhor, convivermos, trocarmos experiências e saberes e mesmo tentarmos descobrir novos caminhos que melhorem as nossas condições e motivações profissionais.

O Encontro Livreiro do Porto está marcado, como já foi anunciado, na livraria Lello, representada pelo nosso colega Sr. Antero Braga, que aceitou ser o nosso anfitrião nesse importante evento.

A data agendada é o próximo dia 23, um domingo, que queremos seja bem passado e bem animado, depois de um almoço portuense que aconchegue estômagos e alegre corações. 

A esse propósito, gostaríamos então de saber quais os colegas interessados no dito, a fim de fazermos as necessárias reservas, no restaurante mais adequado, em espaço, qualidade e conforto.

Estamos a trabalhar na preparação do cartaz de divulgação que publicitaremos logo que esteja pronto. Mas entretanto pensamos que o Encontro já poderá ser anunciado junto de todos quantos se interessam pelos livros, a partir dos vossos contactos, quer pessoais quer institucionais ou outros.

É importante salientar que os livreiros, como veículos directos dos livros e do prazer e necessidade da leitura, contribuem para que os cidadãos de hoje garantam, através do conhecimento e do saber, uma melhor sociedade futura. E nesse sentido, é preciso passar a palavra sobre o espírito do Encontro Livreiro, unirmos esforços e vontades, fazer com que sejamos ouvidos e compreendidos.

TEMOS A MELHOR PROFISSÃO DO MUNDO.
VAMOS TRABALHAR PARA QUE SEJA TAMBÉM A MAIS DIGNA E A MAIS RESPEITADA!

Livraria Poetria
www.livrariapoetria.com»

quinta-feira, 30 de outubro de 2014

DIA DA LIVRARIA E DO LIVREIRO 2014



No próximo dia 30 de Novembro assinala-se o Dia da Livraria e do Livreiro 2014Falta um mês!

Pede-se a todos os livreiros que, ao organizarem as suas agendas de actividades — sobretudo de animação e mediação de leitura —, tenham em consideração este dia, um dia que queremos de Festa (não necessariamente — e muito menos em exclusivo — de feira, de descontos, de promoções). Festa da Livraria! Festa do Livreiro! Festa do Leitor!

Mais notícias e cartaz muito em breve. Aqui e no blogue do Dia da Livraria e do Livreiro. 

Esteja atento(a)!

ISTO NÃO FICA ASSIM!

Encontro Livreiro
Setúbal, 30 de Outubro de 2014

quarta-feira, 29 de outubro de 2014

LIVROS, É NAS LIVRARIAS!

pormenor de cartaz de Joaquim Gonçalves | A das Artes (Sines)

Todos os dias são bons para visitar uma livraria. Não permitamos que as livrarias se transformem numa espécie em vias de extinção!


quinta-feira, 23 de outubro de 2014

I ENCONTRO LIVREIRO DO PORTO E GRANDE PORTO


Acabou de nos chegar, via Poetria, a notícia da realização do 

I Encontro Livreiro do Porto e Grande Porto

Será na tarde do dia 23 de Novembro de 2014, na 

Livraria Lello | Prólogo Livreiros

Depois da experiência dos Encontros Livreiros de Trás-os-Montes e Alto Douro, que já conheceu várias edições e vai rodando pelas livrarias da região, 

saudamos a realização, no Porto, de uma experiência que, no Encontro Livreiro, sempre desejámos ver reproduzida em várias regiões do nosso país. 

Apelamos, desde já, a que se façam representar no próximo Encontro Livreiro nacional, a realizar, como habitualmente, na livraria Culsete, em Setúbal, na tarde do último domingo de 
Março de 2015.

Contem sempre com a melhor colaboração do movimento 
Encontro Livreiro.

ISTO NÃO FICA ASSIM!

Encontro Livreiro
Setúbal, 23 de Outubro de 2014

… | ...

«Está em preparação o I Encontro Livreiro do Porto e Grande Porto, a realizar no próximo dia 23 de Novembro e que terá lugar na livraria Lello (Rua das Carmelitas – Porto).

No rescaldo da recente feira do livro do Porto, que ocorreu no Palácio de Cristal entre os dias 5 e 21/9/21014, é de toda a oportunidade que os livreiros continuem a afirmar-se vivos entre os mais vivos e não "mortos entre os vivos", citando Jaime Bulhosa quando assim se exprimia, com alguma amargura, em 2012, aquando da 82ª Feira do Livro de Lisboa.

Em suma, é tempo de passarmos a palavra, junto dos livreiros e demais gentes do livro, "isto não fica assim", instituída e materializada em blogue, por ocasião do I Encontro Livreiro na Livraria Culsete, em Setúbal.

O sábio Manuel Medeiros, carinhosamente apelidado de "Livreiro Velho", dizia então: "... o olhar encontra de imediato os escritores e os leitores, mas entre o livro e a leitura está o livreiro. O escritor publica a escrita, o editor publica o livro, o livreiro 'publica' a leitura".

E da Traga-Mundos, livraria de Vila Real onde também se realizou o Encontro Livreiro, vinham estas palavras (citadas de um Encontro Livreiro de Setúbal): "O Encontro Livreiro é simplesmente um movimento de aproximação entre quem, vivendo e trabalhando no meio dos livros — livreiros, gentes do livro e todos quantos se reconhecem, de um ou outro modo, no amor e no culto do livro —, já percebeu que não faz sentido, hoje mais do que nunca, andarmos a esforçar-nos cada um por si, numa 'guerra' que só pode ser vencida em comum, lado a lado, se é que se pretende que o livro continue a ser uma das mais ricas potencialidades do homem civilizado para progredir em direcção a todas as suas utopias e ambições. E conseguir que, trabalhando com ele e para ele, se vão colhendo bons proveitos e justos proventos".

A Poetria, Imprensa Nacional - Casa da Moeda, Lello, Lumière, João Soares e Manuel Ferreira, por parte dos livreiros do Porto, vêm por este meio convidar os estimados colegas e as designadas "gentes do livro" — autores, jornalistas, professores, leitores, editores, tradutores, bibliotecários… — reunindo-as num Encontro Livreiro no Porto para nos conhecermos, pensarmos e falarmos sobre o objectivo central: o livro e a leitura.

Um Encontro que se quer também de partilha de experiências, histórias e troca de informações sobre as contingências da nossa profissão, a nível do mercado, dos agentes e instituições culturais, dos leitores, presentes e futuros, e tudo o mais que tenha a ver com os livros, numa perspectiva de superação da crise pela positiva e não pelo queixume ou desistência.

Também nos motiva a vertente social e lúdica do Encontro, enquadrada num momento de fruição de prazeres como um porto, um vinho tinto (ou até água fresquinha da torneira), mais uns petisquinhos genuinamente nacionais — uma autêntica broa de Avintes, uns bolinhos de bacalhau ou umas pataniscas do mesmo —, mais uma musiquinha, cantada ou tocada, ou mesmo poesia...

Chegados a este ponto, gostaríamos agora de colher a vossa opinião, sugestões, ideias ou quaisquer considerações que nos possam ser úteis no sentido de prosseguirmos no caminho que nos conduza à concretização ideal desse Encontro.

Quanto ao local, pensamos que o mais acertado será que o Encontro aconteça na livraria Lello, cujo livreiro, o Sr. Antero Braga, foi recentemente declarado “Livreiro da Esperança”. Além disso, esta emblemática livraria fica numa zona privilegiada e histórica do Porto, enquadrada pelas ruas José Falcão, Carmelitas, Passeio dos Clérigos, pç Gomes Teixeira (Leões) e Carlos Alberto.

Apelamos a que todos, através dos contactos e meios de que disponham, colaborem na divulgação do conteúdo desta comunicação e do I Encontro Livreiro do Porto e Grande Porto, que se organizem em grupos (de amigos, de profissão, de empresa, etc.) e se desloquem ao Porto, se o desejarem e se possível, almoçando num dos inúmeros e cativantes restaurantes na zona (quem sabe uma francesinha no Golfinho, aqui tão perto), e a seguir encaminhando-se para o convívio e o Encontro na livraria Lello.»

Livraria Poetria

quarta-feira, 17 de setembro de 2014

Querem ver que é mesmo verdade que a concorrência desleal no mercado livreiro dá cabo das livrarias independentes? Nunca imaginei…

Pormenor de um cartaz criado por Joaquim Gonçalves | A das Artes (Sines)

«No Público de ontem, a notícia sobre os resultados do estudo encomendado pela Associação Portuguesa de Editores e Livreiros ao ISCTE sobre o sector do livro confirma as quebras que já toda a gente conhecia. Menos editoras, menos livros vendidos e menos livrarias nos últimos anos, eis a confirmação. Há também dados a ter em conta para o debate sobre a Lei do Preço Fixo e os mega-descontos aplicados por algumas grandes superfícies. Querem ver que é mesmo verdade que a concorrência desleal no mercado livreiro dá cabo das livrarias independentes? Nunca imaginei…

“O estudo nota que a generalização de estratégias concorrenciais, como cartões de desconto e promoções, muito usados nestas grandes superfícies, são “susceptíveis de gerar disfuncionalidades no mercado”, afectando sobretudo as livrarias independentes, como estas se tinham queixado. “

Notícia do Público, assinada por Cláudia Carvalho, aqui.»


Sara Figueiredo Costa, in Cadeirão Voltaire

quinta-feira, 12 de junho de 2014

Livros, Livrarias, Livreiros, Leitores.




Há livreiros que resistem. De pé, como as árvores.

Parabéns a todas as Livrarias premiadas! Parabéns a todos os Livreiros premiados!

Hoje saudamos de um modo especial os nossos amigos livreiros (e suas equipas) Joaquim Gonçalves (A das Artes | Sines)! e Jaime Bulhosa (Pó dos Livros | Lisboa) mas também todas as outras livrarias escolhidas e recompensadas pelos seus leitores — com destaque para a Lello | Porto, do nosso Livreiro da Esperança 2014 (Livraria com Melhor Ambiente) e para a Cabeçudos | Lisboa (1º lugar na categoria Livraria Preferida) — na recente votação para a escolha da LIVRARIA PREFERIDA DE PORTUGAL, promovida e organizada pela APEL no âmbito da iniciativa LER EM TODO O LADO.

Parabéns a todos os que resistem em trincheiras feitas de livros. Não permitamos que as livrarias se transformem numa espécie em vias de extinção.

sexta-feira, 6 de junho de 2014

ESPAÇO | há 50 anos em Algés.


< A Livraria Espaço foi inaugurada no dia 6 de Junho de 1964 por iniciativa de Armando Rodrigues e Armando Caldas. Desde logo as questões cívicas e culturais foram uma preocupação deste espaço, no sentido de esclarecer e educar, através da literatura, a população local. 

A Espaço realizou, ao longo dos anos, diversos encontros com escritores, actores e cantores. Por aqui passaram nomes como Mário Castrim, Alves Redol, José Cardoso Pires, Fernando Namora, José Saramago, Armindo Rodrigues, Rogério Paulo, Ary Dos Santos, José Afonso, Lília da Fonseca, Mário Dionísio, Jorge Semprun, Félix Cucurull, entre outros.

Presentemente a livraria é gerida pelas filhas do fundador Armando Rodrigues. Está, portanto, na segunda geração e a preparar a terceira com gosto e muita criatividade! >


PARABÉNS, ESPAÇO! 
Parabéns a todos os que fizeram e fazem parte da história desta livraria... que resiste!



segunda-feira, 12 de maio de 2014

Capazes duma flor onde as flores não nascem



LIVREIRO DA ESPERANÇA

Há homens que são capazes
duma flor onde
as flores não nascem.
Outros abrem velhas portas
em velhas casas fechadas há muito
outros ainda despedaçam muros
acendem nas praças uma rosa de fogo.
Tu vendes livros quer dizer
entregas a cada homem
teu coração dentro de cada livro.

Manuel Alegre


(...) Em 15 de Setembro de 1989, após uma sessão de apresentação de um livro, Manuel Alegre deixou escrito que nós éramos “os outros livreiros da esperança”, aproximando-nos do livreiro do seu poema incluído em Praça da Canção. Passámos desde então a ver esta frase como uma gostosa distinção que nos fora entregue por um grande escritor. Anos mais tarde, tomámo-la (...) como mote para designar os diplomas que o Encontro Livreiro passou a atribuir. Este diploma agora recebido é a confirmação pública alargada dessa distinção. (...).

Fátima Ribeiro de Medeiros


Hoje é dia de saudar de um modo muito especial o poeta e a livreira. Parabéns, Poeta! Parabéns, Livreira! Obrigado por continuarem a entregar-nos o vosso coração dentro de cada poema e de cada livro.


Encontro Livreiro
12 de Maio de 2014


terça-feira, 22 de abril de 2014

O que faço aqui? – O V Encontro Livreiro por Andreia Azevedo Moreira


Desde o Encontro Livreiro do ano passado que ando a matutar: «Qual é o meu papel aqui? Em que posso intervir?» O meu ponto de vista, quando vos venho ouvir, é o de Leitora e embora não tenha participado falando, recuso ser mera testemunha. É do meu feitio se sinto haver desacerto, ou mal-estar, impor-me uma qualquer acção. Insignificante que seja. Neste caso sou o burro a olhar para o palácio porque, além do óbvio, não descortino o que mais poderei fazer para contrariar a tendência actual. A partir do momento em que reflecti sobre este assunto e o adoptei como um dos que me importa e preocupa, arregacei mangas para o que se encontra ao meu alcance. Ganhei maior consciência de que as minhas opções individuais têm importância, sim, e que mesmo sendo gota de água, o meu mililitro de contribuição pode fazer a diferença. Compro os meus livros, na sua maioria, em livrarias independentes. Nesta área, como em outras, também falho. Às vezes uma pessoa está com pressa e tem ao pé o que precisa e pronto. Para mim, essa será a excepção que confirma a regra. Tenho noção exacta do que tem acontecido a demasiadas Livrarias independentes, por uma grande parte dos Leitores se render ao comodismo das estantes fáceis. 

Em Setembro de 2008 falaram-me de uma Livraria que ficava no Rato. O nome por si só era prometedor: «A Trama». Aí encontraria uma publicação de poesia, a Criatura, que me apaixonara com o texto anónimo que lhe servia de mote. Começava assim: Não precisas de explicar ou dar nome a um movimento para fazeres as coisas moverem-se. De Setembro de 2008 a Junho de 2010 «A Trama» foi a minha livraria. Nessa altura, como agora, o orçamento doméstico não permitia grandes desvarios, por isso, guardava-me para lá ir em busca das leituras que me faltavam. Era um imenso prazer falar com a Catarina Barros e com o Ricardo Ribeiro. Perguntar-lhes o que achavam deste, ou daquele livro. Sentia-me orgulhosa quando seleccionava sozinha volumes e eles me sorriam cúmplices, aprovando a(s) escolha(s). Seria difícil que não o pudessem fazer. Todas as capas em destaque eram a melhor Literatura. Trabalho deles, essa criteriosa selecção. Passeava enamorada pelos títulos, maldizendo a falta de um plafond maior. Olho para as minhas estantes e sei cada livro que lá adquiri. Não foram poucos. Deviam ter sido muitos mais. A Trama fechou e não me esqueço dela, nem dos dois Livreiros, como não se esquece um amigo importante que partiu, deixando-nos com a saudade. Este foi, neste contexto, o primeiro grito ensurdecedor que me atingiu certeiro. 

(Apercebo-me, neste momento, que fechou a «Livro do Dia» em Torres Vedras que nunca cheguei a visitar, apesar da vontade, o que me deixa desolada.) 

O que é que a Trama tinha de especial? A intimidade. O ser um ponto de venda de livros, mas também um local de discussões profícuas, de aprendizagem, de convívio, de arte, do saber, de enriquecimento intelectual. Lá conheci pessoas estimulantes como a Rosa Azevedo, a Raquel Ochoa, a Rita Pedro, a Ana (Uma senhora de oitenta e tal anos que ainda se atirava a workshops de escrita criativa, recusando a solidão e a velhice.) entre muitas outras. Foi naquele espaço que reconheci, à distância, o Fallorca que acompanhava no blogue «O Cheiro dos Livros» cuja notícia da morte recente muito me entristeceu. Passeei os olhos por exposições de fotografia e outras. Dei mais uns passos neste trilho desmedido que é a Literatura. Lá amadureci enquanto Leitora. 

Falou-se disso neste Encontro Livreiro. Por que preferir as Livrarias independentes aos gigantes? Precisamente por isto. Nenhum Golias me marcará, ou ensinará, desta maneira. Os laços, o contacto directo e estreito com quem pretende comprar bons livros, a vontade de promover o encontro entre as gentes que os amam, de trocar ideias, de difundir a leitura e os bons autores, só poderá ser concretizada por pessoas apaixonadas e conhecedoras: os Livreiros. Muito dificilmente máquinas comerciais com líderes que são exclusivamente gestores e não se comovem com histórias de amor aos livros, como se preocupam com lucros, farão tanto por eles, pela leitura e pela Literatura. 

Exemplifico uma pequena parte da cadeia que já se criou na minha vida graças às livrarias independentes e às pessoas a elas ligadas: 

Na Trama frequentei dois cursos de Literatura com a Rosa Azevedo. Fiquei de olho nela, como pessoa a seguir, por ter entendido que dela virá sempre aprendizagem útil e refrescante. Entretanto, a Rosa organizou um ciclo de encontros que se intitulava “Para acabar de vez com a Leitura”. Iniciativa singular que muita falta me faz. Numa das sessões vi, pela primeira vez, o Luís Guerra. Homem dedicado aos livros, às letras e aos afectos que já muito me trouxe e que adorei conhecer, na Culsete, o ano passado, sem o filtro da virtualidade. Ele é o que se vê online e é alguém que nos enriquece a vida. Graças a ele tenho-me cruzado com outras pessoas marcantes, como o divertido Joaquim Gonçalves da «A das Artes» que por muito negra que se encontre a actualidade, acha os meios para arrancar um sorriso a quem o rodeia e para não perder o seu; o Nuno Fonseca e o Francisco Belard a quem o Luís tratou de arranjar boleia (a minha) para este quinto Encontro Livreiro, o que me proporcionou muitos minutos de conversa boa. Na «Pó dos Livros» frequentei um curso (Com a Rosa. Lá está.) sobre Surrealismo que me aprofundou o encantamento por Mário Cesariny, Alexandre O’Neill e António Maria Lisboa. Na «Ler Devagar» tive umas luzes sobre ficção para TV, com o vibrante filipe Homem Fonseca a quem continuo a acompanhar à distância. O Ricardo Ribeiro continua a ser o meu Livreiro de eleição, mesmo sem poiso fixo. Aquele a quem recorro e em quem confio. Tudo o que diga ficará aquém do quanto já ganhei nesta rede, sob o tecto acolhedor de Livrarias Independentes e pelas mãos empenhadas e amigas dos respectivos Livreiros. 

Um povo com Cultura terá maior capacidade para reflectir, ripostar e exercer o seu pensamento de forma livre. Não é possível submeter-se quem raciocina, está informado, sonha fora dos parâmetros, imagina e vislumbra além do que é imediato. Fornecido mastigado. É inestimável e fundamental o uso que os Livreiros fazem das suas Livrarias, na divulgação da nossa Cultura. 

O que faço perante um problema que considero também meu? 

1) Compro os meus livros em Livrarias Independentes. 
2) Divulgo, insistente, as livrarias que visito. 
3) Quando ofereço um presente a alguém dou primazia ao livro. 
4) Recomendo leituras. 
5) Leio aos meus filhos e conto-lhes histórias. 
6) Sensibilizo os que me rodeiam para a temática. 
7) Compareço, quando posso, nas iniciativas que as Livrarias dos meus afectos promovem e tento que me acompanhem amigos. Divulgo. 
8) Prefiro o papel ao digital. 

Reforço o apelo que já um dia fiz. Ajudem-nos a ajudar-vos. O que podemos, enquanto Leitores, fazer mais? 

Se a união dos Livreiros Independentes fará a força, essencial à sua sobrevivência, também é verdade que trará pujança à luta, a sensibilização dos Leitores para esta causa. Explicar-lhes o que está em jogo, o que perderão assim desapareça esta forma de olhar para os Livros e o quanto têm a ganhar ao entenderem que viver a Literatura é muito mais do que a mera compra do objecto. 

(Perdoem se me alonguei.) 

Finalizo dando os parabéns ao Antero Braga, da Livraria Lello, por esta justa homenagem a 46 anos de dedicação aos Livros, à Literatura e de serviço aos Leitores. 

A todos os que referi e aos que estão implícitos o meu MUITO OBRIGADA. 

Um abraço amigo. 

21 de Abril de 2014 

Andreia Azevedo Moreira, Escreleitora, Carcavelos.

domingo, 6 de abril de 2014

A difícil situação dos livreiros no Portugal de hoje e (...) a necessidade de sinergias e políticas que os defendam e ao seu valioso património, em risco de perda irreversível — Daniel Melo | Universidade Nova de Lisboa

                                    Daniel Melo, aqui no II Encontro Livreiro (2011)

Por motivos de saúde, não posso comparecer ao V Encontro Livreiro na Culsete, para o qual fui amavelmente convidado pela incansável Fátima Ribeiro de Medeiros. Ainda assim, tenho muito gosto em partilhar convosco o meu agradecimento a todos quantos se esforçam por ver reconhecida a relevância do livreiro e da actividade cultural em geral. 

Aproveito também para deixar duas informações relativas a esta 'causa': a 1.ª é que a revista Cultura do Centro de História da Cultura da NOVA irá lançar em breve um dossiê sobre os livreiros e o seu património. Esperemos que possa ser apresentado já na próxima Feira do Livro de Lisboa. Esse dossiê acolhe textos dos livreiros que o Nuno Medeiros e eu convidámos para um encontro específico, realizado em Outubro passado. Os livreiros convidados foram Fátima Ribeiro de Medeiros e Pedro Oliveira, o último em nome dos antigos livreiros da Sá da Costa. Aditámos-lhe um texto introdutório onde reflectimos sobre a difícil situação dos livreiros no Portugal de hoje e sobre a necessidade de sinergias e políticas que os defendam e ao seu valioso património, em risco de perda irreversível, como ocorreu recentemente após o fecho de várias livrarias. 

A segunda informação respeita à recente abertura de um sítio de Internet dedicado à editora Romano Torres e ao projecto de salvaguarda e comunicação do seu precioso acervo documental e iconográfico. Esse site pretende também divulgar bibliografias temáticas e fontes orais, bem como dinamizar os estudos sobre a edição e o universo do livro. Trata-se de um projecto também do CHC da Nova, apoiados pela Fundação Gulbenkian, e pelo qual se busca ainda sensibilizar para a necessidade urgente de espaços institucionais destinados à salvaguarda do património da edição e do livro em Portugal. 

Espero que estas duas iniciativas possam contribuir para o adequado reconhecimento dos agentes ligados ao livro, designadamente dos livreiros. 

Bom Encontro Livreiro para todos, 

Daniel Melo
Historiador | Universidade Nova de Lisboa


(mensagem recebida no dia 29 de Março e lida no V Encontro Livreiro)

Agradeço todo o trabalho que as Livrarias e os Livreiros têm protagonizado em torno do livro — Francisco Madruga | Calendário de Letras



Caros amigos,

Na impossibilidade de estar presente na homenagem ao Antero Braga agradeço todo o trabalho que as Livrarias e os Livreiros têm protagonizado em torno do livro.

Um abraço

Francisco Madruga
Calendário de Letras | V. N. Gaia


(mensagem recebida no dia 30 de Março e lida no V Encontro Livreiro)

Acredito que hoje é fundamental a criação de uma rede de livrarias independentes no nosso país — Eduardo de Sousa | Letra Livre






Caros amigos,

Bom dia.

Mesmo não podendo estar presente no Encontro Livreiro por razões pessoais e de trabalho não deixo de acompanhar essa iniciativa com toda a atenção até porque acredito que hoje é fundamental a criação de uma rede de livrarias independentes no nosso país. Esses encontros podem ser uma oportunidade, e acredito que o sejam, não só de encontro de iguais mas de troca de ideias e experiências entre pessoas que têm uma paixão pela cultura do livro impresso e que tentam viver no complicado contexto de concentração oligopolista e absoluta mercantilização da actividade livreira.

Um bom encontro para todos os presentes.

Cordialmente,

Eduardo de Sousa 
Livraria & Editora Letra Livre | Lisboa

(mensagem recebida no dia 30 de Março e lida no V Encontro Livreiro)

Esperamos sinceramente que o próximo Encontro Livreiro no Porto seja em breve uma realidade — Dina Ferreira | Poetria



A Poetria, livraria de poesia e teatro, no Porto, associa-se em pleno ao 5º Encontro Livreiro no próximo domingo, na livraria Culsete, em Setúbal, onde este maravilhoso movimento nasceu, e envia aos colegas livreiros uma mensagem de solidariedade e esperança num futuro melhor para todos nós. 

No Porto há livrarias bonitas, e a mais bonita de todas é a magnífica Lello, cujo livreiro e grande amigo Sr. Antero Braga, está de parabéns porque acaba de ser homenageado com o diploma "Livreiro da Esperança". 

Nessas livrarias, há livreiros com histórias de dedicação, competência, entusiasmo, partilha de experiências e informação com o público que lê mas também com o que (ainda) não lê. 

Incansáveis e apaixonados pelos livros, os livreiros revêem-se nas sábias palavras do saudoso Manuel Medeiros, o querido "Livreiro Velho" que nos deixou recentemente: "...o olhar encontra de imediato os escritores e os leitores, mas entre o livro e a leitura está o livreiro. O escritor publica a escrita, o editor publica o livro, o livreiro 'publica' a leitura". 

Esperamos sinceramente que o próximo Encontro Livreiro no Porto seja em breve uma realidade, e estamos a trabalhar para que isso aconteça muito brevemente, porque estamos em perfeita sintonia com o espírito e objectivos que estiveram na origem desta iniciativa: conhecimento mútuo dos livreiros a nível nacional, englobando na mesma um universo alargado de gentes do livro e da cultura, reflexão conjunta sobre todos os aspectos e problemas inerentes a esta profissão: A MAIS BELA PROFISSÃO DO MUNDO! 

Um grande e forte abraço a todos. 

POETRIA
Dina Ferreira | Porto

(mensagem recebida no dia 27 de Março e lida no V Encontro Livreiro)

Para todos os Colegas e demais presentes, os meus melhores cumprimentos e votos de bom e proveitoso convívio — Maria de Lurdes Santos | Fundação Livraria Esperança




Muito boa tarde. 

É com muita tristeza que Vos informo que não me é possível comparecer em Setúbal no próximo domingo. Fiz todos os projectos para lá estar, mas não contei com o factor saúde que à última hora me faltou. (...) 

Para todos os Colegas e demais presentes, os meus melhores cumprimentos e votos de bom e proveitoso convívio. Espero fazer algumas visitas, logo que me possa deslocar ao continente. 

Atenciosamente,



Maria de Lurdes Santos
Fundação Livraria Esperança | Funchal



(mensagem recebida no 25 de Março e lida no V Encontro Livreiro)