quinta-feira, 9 de junho de 2011

Livreiro Velho escreve a Sara Figueiredo Costa


Caríssima Sara,
os nossos e os meus amigos ficaram contentes com o que ontem, no Portugal Ilustrado - http://portugalilustrado.com/ – publicaste como entrevista construída a partir da gravação da longa, desordenada e muito agradável conversa que tivemos, já lá vão uns mesinhos, aqui na Culsete.


Começa assim, mas continua AQUI.

sábado, 4 de junho de 2011

Gentes do Livro - Livreiro Velho homenageia Jovem Editor


rabiscos vieira

«Dez anos!
Já dez anos sobre o desaparecimento de um «jovem editor» com obra feita. Por feita (per-feita), a prometer o valor da que, por causa desse desaparecimento ficou e… não ficou por fazer, pois quem deixa aberto um elevado caminho ao futuro participa da autoria de tudo o que nele se constrói»


Ler texto completo AQUI

A ilustração é de Pedro Vieira, jovem autor, mas sobretudo, entre muitas outras aventuras em que já se (e nos) envolveu, um LIVREIRO (sem ex-).

sexta-feira, 3 de junho de 2011

a leitura na escola e a ameaça da pirataria


«A poucos dias das eleições, a ministra da cultura propõe que o IVA dos livros eletrónicos seja idêntico ao dos livros em papel (taxa reduzida). A ideia é antiga e os editores têm discutido o assunto, porque ele não é pacífico. Em Espanha, por exemplo, os e-books são taxados a 15,2% enquanto aos livros em papel são aplicados 3,4%. Mas a questão não é essa nem se resolve com uma “proposta agradável” à boca das urnas. O problema está em como manter os atuais níveis de literacia sem prejudicar a economia do livro, que nunca teve apoios do Estado e lutou, solitária, para conquistar autonomia e dignidade. Pensar o mercado do livro, hoje, inclui uma discussão sobre a leitura na escola e a ameaça da pirataria. De contrário, é apenas um assunto para os novos-ricos se entreterem.»

FJV - 1 de Junho de 2011

O poder da leitura

«(...)
Não se deve olhar para trás, mas de vez em quando acontece, além de que não se pode ser velho sem contar, contar, contar até ficar em silêncio.


Não se deve olhar para trás, mas às vezes…
E o que se revive comove-nos.

Princípio 7, a cultura geral.
A grande revolução de um povo é a cultura geral e desde criança. Como é indispensável compreender e promover, COM LIVROS, essa cultura geral.
Indispensável.
Livros competentemente escolhidos.
(...)

que competência e dedicação em literatura infanto-juvenil e à animação de leitura, digo, aproximação infalível das crianças e jovens aos livros e ao "poder da leitura"! »

L. V.