quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Ainda a Carta Aberta de «Gentes do Livro»

No passado dia 21 de Novembro, dia do 80º Aniversário do Livreiro da Esperança, chegou ao fim, com 327 subscritores, a subscrição pública da Carta Aberta de "Gentes do Livro".

Sugerimos aos que não o conseguiram fazer a tempo, e ainda queiram expressar o seu apoio a esta iniciativa, que o façam através da caixa de comentários.


Obrigado.

Encontro-Livreiro
.

terça-feira, 22 de novembro de 2011

Mensagem do Gabinete do Senhor Primeiro Ministro

Por obséquio do Sr. Jorge Figueira de Sousa, publicámos ontem a Mensagem que lhe foi dirigida, no dia do seu 80º Aniversário, pelo Senhor Representante da República para a Região Autónoma da Madeira, a quem também era dirigida a nossa «carta aberta».

Pelo respeito que nos merecem todos quantos aderiram, entusiasticamente e sem reservas, a esta iniciativa, julgamos ser de nossa obrigação divulgar também aqui e agora a mensagem que, por correio electrónico do dia 14-XI-2011, nos foi remetida pelo Gabinete do Senhor Primeiro Ministro.

Encontro-Livreiro



Exmos(as). Senhores(as),

Encarrega-me S. Exa. o Primeiro Ministro de agradecer o vosso correio electrónico de 10 de Novembro passado e de informar que o assunto, que mereceu a melhor atenção e simpatia, foi remetido, nesta data, para S. Exa. o Secretário de Estado da Cultura.

Com os melhores cumprimentos,

Paula Pereira

Descrição: Descrição: Descrição: Descrição: Descrição: D:\<span class=

Gabinete do Primeiro-Ministro

Paula Pereira

Adjunta do Gabinete do Primeiro-Ministro


segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Mensagem do Senhor Representante da República para a Região Autónoma da Madeira

[clicar na imagem para a ampliar e ler mensagem]


Mensagem publicada por obséquio do Sr. Jorge Figueira de Sousa.

Livreiro da Esperança



Caro Sr. Jorge Figueira de Sousa,

É com imensa alegria que festejamos a passagem do seu 80º aniversário, como de alguém que é um exemplo, não só para a classe profissional dos livreiros portugueses, mas também para todas as «gentes do livro», pela história de que é herdeiro e pelo exemplo de vida, de persistência, de resistência e de visão e esperança de futuro que continua a transmitir às gerações actuais e vindouras.

Parabéns! Pela vida e pelo exemplo!

Ao propor às entidades oficiais e ao país um merecido reconhecimento público, procurámos chamar a atenção para o seu exemplo e também para o papel fundamental que os livreiros desempenham na concretização do que deveria ser um verdadeiro desígnio nacional:

a promoção do livro e da leitura como alicerce de um país mais culto, logo mais justo, mais livre e mais feliz.

A adesão à «Carta Aberta de "Gentes do Livro"», que estará em subscrição pública até ao final do dia de hoje, atesta a justeza do nosso objectivo inicial e confirma-o a si como Livreiro da Esperança. Sempre o foi, no sentido particular do termo. Também o é e sempre será, no sentido universal que o mesmo termo naturalmente comporta. Porque soube manter e desenvolver os sonhos de seu avô Jacintho e de seu pai José, mas também preparar o futuro, mantendo a esperança na Leitura, no Livro e na Livraria.

Sendo hoje um dia de festa muito especial para o Caro Amigo Jorge Figueira de Sousa, não queremos deixar de cumprimentar respeitosamente sua esposa, D. Maria de Lurdes, que, sabemo-lo bem, mas alguns depoimentos fizeram questão de no-lo recordar, é merecedora do nosso reconhecimento e da nossa admiração, enquanto precioso esteio, lado a lado com o seu marido, de uma empresa livreira que hoje não temos receio de classificar como uma autêntica universidade livreira para todos quantos estão nesta actividade como livreiros e não como meros vendedores de papel. Saudamos também, porque este projecto prova que só tem passado, presente e futuro o que se constrói em equipa e com alicerces bem firmes, todos os colaboradores e associados da Livraria Esperança, os de ontem, os de hoje e os de amanhã.

Um bom dia de aniversário, com saúde e muita alegria, junto dos que lhe são mais queridos, aos quais nos associamos num brinde de parabéns!

Com a amizade, a estima e a admiração

de todos quantos aqui fomos chamados

por um desejo de o ver devidamente homenageado

neste dia feliz dos seus 80 anos,


Encontro-Livreiro


quinta-feira, 10 de novembro de 2011

CARTA ABERTA DE «GENTES DO LIVRO»

No passado dia 21 de Novembro, dia do 80º Aniversário do Livreiro da Esperança, chegou ao fim, com 327 subscritores, a subscrição desta Carta Aberta. Sugerimos aos que não o conseguiram fazer a tempo, e ainda queiram expressar o seu apoio a esta iniciativa, que o façam através da caixa de comentários. Obrigado. Encontro Livreiro.

Senhor Presidente da República
Senhor Primeiro Ministro
Senhor Secretário de Estado da Cultura
Senhor Representante da República para a Região Autónoma da Madeira
Senhor Presidente do Governo Regional da Madeira
Senhor Secretário Regional da Educação e Cultura da Madeira

No próximo dia 21 de Novembro de 2011, o livreiro Jorge Figueira de Sousa, da Livraria Esperança - «primeiro estabelecimento comercial no Funchal e na Madeira a vender exclusivamente livros» - completa 80 anos de vida.

Continuador de um sonho e de um projecto iniciado pelo seu avô, Jacintho Figueira de Sousa [1860-1932], e mantido pelo seu pai, José Figueira de Sousa [1899-1960], Jorge Figueira de Sousa, nascido no Funchal no dia 21 de Novembro de 1931, continua firmemente no seu posto e é para todos nós, «gentes do livro», um exemplo de vida e uma figura que muito honra a classe profissional dos livreiros portugueses, por vezes tão esquecida, não obstante o lugar central que ocupa no que deveria ser um fundamental desígnio nacional: a promoção do livro e da leitura como alicerce de um País mais culto, logo mais justo, mais livre e mais feliz.

Porque julgamos que o Livreiro Jorge Figueira de Sousa, pelo seu exemplo de juventude, tenacidade e persistência, é merecedor de público reconhecimento, rogamos a V. Ex.as se dignem honrá-lo com a distinção tida por conveniente e justa nesta circunstância.

Encontro Livreiro, 5 de Novembro de 2011

OS SUBSCRITORES:

Luís Guerra – Editora Assírio & Alvim (Lisboa)
Manuel Medeiros
– Livraria Culsete (Setúbal)
Fátima Ribeiro de Medeiros
– Professora e Investigadora de Literatura (Setúbal)
Sara Figueiredo Costa
- Blogue «Cadeirão Voltaire», jornalista e crítica literária (Lisboa)
João Reis Ribeiro
- Professor (Setúbal)
Rosa Azevedo
– Blogue «Estórias com Livros», ex-livreira, produtora na Ordem dos Arquitectos (Lisboa)
Onésimo Teotónio Almeida
- Professor, Brown University, Providence, RI (EUA)
Vanda Nunes de Viveiros
- Livreira (Lisboa)
Nuno Fonseca
– Escritor (Lisboa)
J
osé Xavier Anjo de Sena Ezequiel - Cidadão nº 07194147, Redactor profissional (publicidade e imprensa), romancista e, sobretudo, leitor (Seixal)
Teresa Sá Couto
- Professora (E. S. Fernando Lopes Graça) e analista literária
Joaquim Gonçalves
– Livreiro, A das Artes (Sines)
Eurídice Gomes
– Assistente Editorial (Lisboa)
Helena Girão Santos
- Livreira, Livraria Fonte de Letras (Montemor-o-Novo)
Isabel Castanheira
- Livreira, blogue «Cavacos das Caldas» (Caldas da Rainha)
Maria Alexandra Cunha Vieira
- Arquivo Livraria (Leiria)
Marta Peixoto
- Livreira, Livraria Capítulos Soltos, blogue «Os Livros Tristes» (Braga)
António Costa
– Programador (Comissário Programação Cultural da Feira do Livro do Porto)
Nuno Medeiros
– Sociólogo e professor (Setúbal)
Gonçalo Mira
– Crítico Literário (Viseu)
Isabel Maria dos Santos Ramalhete
- Livreira (Lisboa)
Inês Fialho Espada
- Livreira (Oeiras)
Cristina Rodriguez
- Tradutora (Seixal)
Artur Guerra
- Tradutor, professor bibliotecário (Seixal)
Isabel Mendes Ferreira
– Escritora (Lisboa)
José Colaço Barreiros
– Tradutor (Lisboa)
Francisco Belard
– Jornalista (Lisboa)
Jaime Bulhosa
– Livraria Pó dos Livros (Lisboa)
Viriato Teles
– Jornalista e escritor (Lisboa)
Damião Medeiros - Gestor de projecto (Azeitão)
Hélia Sampaio -
Bancária (Azeitão)
José Gonçalves
- Vendedor (Almada)
Artur Goulart Melo Borges – Coordenador do Inventário artístico da Arquidiocese de Évora
Pedro Vieira - Ilustrador e criativo do Canal Q/Produções Fictícias (Lisboa)
Dina Silva
- Professora do Ensino Secundário (Sines)
Célia Costa
- Produtora Cultural (Lisboa)
Maria do Céu Pires
- Professora (Estremoz)
Helena Carneiro – Estudante (Lisboa)
Ana Teixeira
- Relações Públicas (Lisboa)
Samuel Velho
- Livreiro (Lisboa)
António Figueira -
Jurista (Lisboa)
José Moças
– Editor, Tradisom Produções Culturais (Vila Verde)
Antero Braga
– Livreiro, Prólogo / Lello (Porto)
Urbano Bettencourt
– Professor e escritor (Universidade dos Açores – Ponta Delgada)
Emanuel Amorim
– Jornalista (Lisboa)
Bruno Malheiros
- Livreiro, Livraria Capítulos Soltos (Braga)
João Cardoso
– Livreiro (Parede)
José Agostinho Baptista
- Poeta (Lisboa)
José Tolentino Mendonça
– Poeta (Lisboa)
Hugo Miguel Costa
- Livreiro, blogues «O silêncio dos livros» e «O café dos loucos» (Portimão)
Ana Júlia Medeiros da Silva
- Técnica Superior de Gestão Documental (Setúbal)
Sandra Simões - Livreira, Letraria (Algés)
Livreira Anarquista - Livreira Interdimensional
Adelino Abrantes - Vendedor (Lisboa)
Maria de Lurdes Guerra
– Professora (Seixal)
Manuel Rosa – Editora Assírio & Alvim (Lisboa)
Carol Vanessa Carvalho
– Livreira, A Benda (Viana do Castelo)
Olegário Paz
- Professor reformado e ensaísta (Amadora)
Carolina Freitas - Jornalista (Lisboa)
Paula Carvalho - relações públicas (Marinha Grande)
Carla Major - Dharma Livraria (Mem-Martins, Sintra)
Bruno Monteiro - BI nº 11885977, blogue «Ainda que os Amantes se Percam (Pinhel)
Lídia Salvador Silva - Física (Lisboa)
Carlos Meirinho Carrilho Rito - Paulinas Editora (Lisboa)
Bruno Antunes - Livreiro, AL - Antunes Livreiros (Braga)
Amélia Pais - Professora aposentada e autora, blogue «Ao Longe os Barcos de Flores» (Leiria)
Teresa Cunha - Livreira, Salta Folhinhas (Porto)
Gonçalo André Andrade Pereira - Desempregado (Águeda)
Francisco Miguel Valada - Intérprete de Conferência (Bruxelas)
Andreia Brites - Mediadora de leitura, blogue «O Bicho dos Livros» (Lisboa)
Bruno Porta Nova - Tradutor (Barreiro)
Jorge Paes da Cunha Freire, Tradutor (Lisboa)
Manuel Guerra - Estudante, Escola Superior de Teatro e Cinema (Lisboa)
Maria João Freire de Andrade - Tradutora (Lisboa)
Dina Ferreira da Silva - Livraria Poetria XXI (Porto)
Paulo Ferreira Ramos - Tradutor, paginador, editor (Lisboa)
Carlos Barbosa - Gráfico (Odivelas)
Berta Madureira - Leitora (Oeiras)
João Ventura - Professor Universitário (Lisboa)
Ana Lemos - Coordenadora editorial / revisora de texto (Porto)
Marta Cravo - Livreira, Almedina (Lisboa)
Ana Luísa Pires - Massoterapeuta / Secretaria (Barreiro)
António José Araújo Silva - Técnico Controle de Qualidade (Lisboa)
Helena Trindade Lopes - Professora Universitária (Lisboa)
Manuel Bonjardim - Livreiro, Livraria Bracara (Braga)
Carlos Ademar - Escritor, blogue A-de-Mar (Alenquer)
António Alberto Alves - Livreiro, Traga-Mundos (Vila Real)
Jorge Fallorca - Escritor e tradutor, blogue «O Cheiro dos Livros» (Algarve / Lisboa)
Ana Rita Fernandes, Livreira, Bulhosa Livreiros (Lisboa)
Maria Emília Nicolau - Assistente Social (Parede)

Leonor Fernandes - Livreira, Bulhosa Livreiros (Lisboa)
Vítor Amaral Dias - Consultor de Comércio Internacional (Loures)
Raul Albuquerque - preocupado com os profissionais das profissões, ocupado com as pessoas
(Funchal)
Tiago Cabral - Leitor
José Manuel Matias - Delegado comercial (Amadora)
Daniel Santos Duarte - Editor (Lisboa)
Vítor Coimbra - Editor (Lisboa)
Nuno Teixeira - Livrarias Almedina (Coimbra)
Ana Margarida da Esperança Bernardo Salgueiro Rodrigues - Doutoranda em Estudos de Cultura na FCH-UCP, investigadora no CECC (Lisboa) e no CEHA (Funchal)
Maria Armanda de Sousa Pais Mega de Andrade - Médica (Viseu)
Patrícia H. Brito - Cientista (Lisboa)
Cristina Bartleby - escrivã e filiada na Livraria Esperança desde 1966 (Funchal)
Maria do Carmo Figueira de Sousa Abreu Gavinho - professora / tradutora (Lisboa)
Sílvia Alves - escritora, blogues «7leitores» e «Os Meus Livros» (Leiria)
Carlos Alberto Machado - Escritor, blogue «transeatlântico» (Lajes do Pico)
Rita Pimenta - Jornalista, blogue «Letra pequena» (Setúbal)
Maria de Lourdes Soares - Autora de Literatura Infanto-Juvenil, Professora AP (Lisboa)
Eduardo de Freitas - Sociólogo, blogue «theca libraria» (Lisboa)
Duarte Mendonça - Bibliotecário e investigador (Funchal)
Rui Mesquita - tradutor (Porto)
Viriato Soromenho-Marques - Professor universitário (Setúbal)
Marcelo Rebelo de Sousa - Professor de Direito (Lisboa)
Pedro Tamen - Escritor (Palmela)
Amândio Teixeira Pinto - Professor universitário (Vila Nova de Gaia)
Sandra Oliveira Silva - Livreira na Fnac Chiado, leitora e tradutora (Lisboa)
Brissos Lino - Docente universitário (Setúbal)
Fernando Paulino - Poeta e professor (Setúbal)
Manuel Cardoso - Médico-veterinário e escritor, blogue «A drive in my country» (Macedo de Cavaleiros)
Eduarda Gonçalves - Professora aposentada (Setúbal)
António Moniz - Professor da FCSH-UNL (Lisboa)
Leopoldino G. Flores - ex-comercial do livro durante cerca de 40 anos, aposentado (Mafra)
Carlos Manuel de Faria e Almeida Santos - Poeta, advogado, consultor, assessor principal aposentado da Administração Pública (Setúbal)
Alexandrina Pereira - Poetisa
António Cunha Bento - Reformado (Setúbal)
Helena de Sousa Freitas - Jornalista, doutoranda no CIES (ISCTE-IUL) (Setúbal)
Rodrigo Ferrão - Livraria Almedina, blogue «Clube de leitores» (Porto
Vamberto Freitas - Leitor de língua inglesa Universidade dos Açores (Ponta Delgada)
José Carlos R. Correia - Colaborador do Grupo Almedina (Coimbra)
Adoa Coelho - Escritora, blogue «Gaia» (Frankfurt)
António Marrachinho Soares - Advogado (Lisboa)
Ana do Carmo Afonso Monteiro - Estudante de Antropologia (Chaves)
Fernanda Esteves - Poetisa e escritora (Setúbal)
Ema Inácio - Animadora sociocultural, blogue «terra.corpo» (Setúbal)
Clara Saraiva - Antropóloga, professora Universidade de Lisboa (Lisboa)
Sérgio Soares - Livraria Soares (Pombal)
Ana Paula Faria - Editora, Gatafunho (Lisboa)
Teresa Carvalho Figueira - Artista Plástica (Lisboa)
Teresa Paulino - Livraria Planeta Azul (Ponta do Sol, Ilha da Madeira)
António Trabulo - Médico, blogue «decáedelá» (Setúbal)
Luísa Ducla Soares - Escritora (Lisboa)
Maria Clementina - Actriz e poetisa (Setúbal)
Catarina J. B. Faustino - Bulhosa Livreiros (Oeiras)
Luís Alberto Machado Luciano - Médico (Setúbal)
Fernando Bento Gomes - Escritor (Lisboa)
Jorge Morais - Escritor (Lisboa)
Januário Pacheco - Professor aposentado (Lisboa)
Patrícia Feio - Livreira, Livraria Almedina (Lisboa)
Fernando Marques Mendes - Professor (Braga)
Liliana André Teles Palhinha - Livreira, Livraria Pátio das Letras (Faro)
Cristina Duque - Bulhosa Livreiros (Massamá)
Maria de Fátima Gaspar Fialho Espada - Gestora do lar (Manique de Baixo-Alcabideche - Cascais)
António Quaresma Rosa - (Setúbal)
Miguel Real - Escritor
Natércia Maria Coelho de Fraga - Professora 2º e 3º ciclos (Setúbal)
Pedro Lúcio - Livreiro (Cascais)
Sérgio Machado Letria - Coordenador na Fundação Saramago e Mediador de Leitura, blogue «O Biclho dos Livros» (Lisboa)
Madalena Romão Mira - Bibliotecária (Lisboa)
Paulo Moreiras - Escritor (Pombal)
Maria José Rodrigues - Médica (Setúbal)
Sara Oliveira - Produtora (Lisboa)
Nuno Seabra Lopes - Empresário e Consultor Editorial (Lisboa)
José António Calixto - Director Biblioteca Pública de Évora (Évora)
António Oliveira e Castro - Escritor (Setúbal)
José Carlos da Silva Carreira - Livraria Boa Leitura (Leiria)
Manuel Augusto Araújo - Arquitecto, blogue «Praça do Bocage» (Lisboa)
José Luís Chambel da Fonseca - Gestor (área comercial) (Lisboa)
Catarina Isabel Bento Soares do Sacramento Pereira - Jornalista / assistente editorial (Lisboa)
Mário Francisco Ribeiro Raposo - Professor do ensino secundário (Idanha-a-Nova)
Michele MV Hapetian - Tradutora (Ericeira)
Marcelino de Castro - Director da revista Islenha (Funchal)
Henrique Barreto Nunes - Bibliotecário ap. (antigo director Biblioteca Pública de Braga), dirigente associativo (Braga)
Ana José Carvalho - Chefe da Divisão de Cultura da Câmara Municipal de Setúbal (Setúbal)
Francisco Madruga - Calendário (V. N. Gaia)
Célia Pessegueiro - Editora na Editora Nova Delphi (Funchal, Madeira)
Alexandra Rocha e Lopes - Tour Operator (New York)
Miguel Guerra - desenhador (Lisboa)
Paulo Afonso Ramos - Editor, Lua de Marfim Editora (Póvoa de Santa Iria)
Helena Marques - Advogada e leitora compulsiva de livros (Porto)
Carlos Casimiro Marques - Engenheiro químico (Setúbal)
Maria Teresa Nascimento - Professora universitária (Funchal)
Nuno David - Pintor (Setúbal)
Maria Assunção Esteves - Professora (Matosinhos)
José Carlos S. de Almeida - Professor do Ensino Secundário, autor de manuais escolares da Porto Editora (Lisboa)
Anita Vilar - Médica (Setúbal)
João Santos - Bertrand Editora (Lisboa)
Vitor Wladimiro Ferreira - Professor aposentado, director editorial e, principalmente, leitor contumaz
Guilherme Mira Godinho - Livreiro, Bulhosa Livreiros (Lisboa)
Sara Rodrigues - Antropóloga e tradutora (Lisboa)
Sara Silva - Gerente de loja (Lisboa)
M. Margarida Coutinho Teixeira - Professora (Setúbal)
Tiago Santos - Sociólogo (Oeiras)
Victor Pinho - Chefe de Divisão de Biblioteca e Arquivos (Barcelos)
Pedro Cerejo - Bibliotecário e tradutor (Lisboa)
Inês Cardoso - Historiadora (Santarém)
Luís França - Farmacêutico hospitalar, blogue «fenda» (Lisboa)
Sérgio Pereira Camecelha - Livreiro (Oeiras)
Fátima Damas - Geóloga (Lisboa)
Vera Saldanha - Jornalista (Lisboa)
José António Figueira Costa - Reformado (Funchal)
Isabel Prates - Jornalista
António Pereira - Professor de Português (Bruxelas)
Rosa Mesquita - tradutora (Bruxelas)
Raquel Bernardo - Professora de Matemática (Lisboa)
Irene Tarouca - Bibliotecária (Portela de Sacavém)
Odília Maria Leal - Professora (Palmela)
Isabel Vieira - Jornalista (Lisboa)
Joana Góis - Estudante, escola Superior de Teatro e Cinema (Lisboa)
João Gentil Saraiva - Físico e aspirante a outras coisas (Lisboa)
Teresa Pinto - Professora e investigadora (Lisboa)
Rui Miguel Duarte - Investigador (Lisboa)
José António Cabrita - Professor (Pinhal Novo)
Maria Natércia Aleida Pereira - Responsável da Biblioteca Municipal Comendador Montenegro (Lousã)
Ana Coelho
- Livreira (Lisboa)
Susana Catarina Caldeira - Professora e Coordenadora do Centro Cultural John Dos Passos (Ponta do Sol, Madeira)
Catia Maria Câmara - ex-associada Fundação Livraria Esperança (Reino Unido)
Nuno Morna - Actor, escritor (Funchal)
Elvira Cabrela Barrelas - Bibliotecária e leitora (Montemor-o-Novo)
Miguel Rodrigues - Eng. Informático (Funchal)
Fernando Morgado - Sócio-Gerente da Quinta de Fiães (Vilar de Maçada)
Laura Morgado - Sócia da Quinta de Fiães (Vilar de Maçada)
Alexandra Silva - Enóloga da Quinta de Fiães (Vila Real)
Cecília Aguiar - Socióloga (Funchal)
Natacha Nóbrega - Estudante na Universidade da Madeira (Funchal)
Leonel Correia da Silva - Gestor de projectos culturais (Funchal)
Maria Teresa Cardoso dos Santos Tavares de Góis - Bancária reformada (Porto Moniz, Madeira)
António Jorge Ganança Pereira - Arquitecto (Funchal)
Rosa Maria Silva Ferreira - Psicóloga (Funchal)
Tânia Calaça - Assistente de vendas (Reino Unido)
Pedro Miguel Duque - Senior Business Consultant at Sonaecom (Lisboa)
Maria das Dores Ferreira Pinto - Professora bibliotecária (Idanha-a-Nova)
Marileny da Silva Calaça - Doméstica (Jersey)
Maria Raposo - Publicitária (Lisboa)
António João Lopes de Amaral Guerra - Professor (Vila Verde, Braga)
Maria Paula Santos Silva - Professora (Vila Verde, Braga)
Ana Maria Pereirinha - Editora (Lisboa)
Carla Miguel - Professora (Idanha-a-Nova)
Luísa Isabel Carvalho Leitão Gomes Coelho - Professora de Português do ensino básico e secundário (Idanha-a-Nova)
Paula Cristina Lazera - Livreira em Évora "Na Sombra dos Livros"
Raquel Almeida - Profissional RVCC (Idanha-a-Nova)
João Leite Duque - desempregado (Lisboa)
Ricardo A. Lourenço Machaqueiro - Doutorando em Antropologia (Lisboa)
Carlos Manuel Manso da Silva - Economista (Lisboa)
Fernando Frazão - Reformado (S. Domingos de Rana)
Ana Paula Guimarães - Professora FCSH/UNL (Lisboa)
Patrícia Cassaca - Jornalista (Funchal)
Celeste Alves - Estudante Escola Superior de Teatro e Cinema (Lisboa)
Mariana Correia - Estudante Escola Superior de Teatro e Cinema (Lisboa)
António Neves Berbém - Ex-professor (Malveira)
Carlos Neves - Repositor (Aveiro)
Cristina Bianca Teixeira Oliveira - Tradutora, Professora de Inglês/Alemão/Português e Instrutora de Yôga (Zurich, Suiça)
Júlio Ferreira - Coordenador comercial das livrarias Quid Juris (Lisboa)
Luís Gomes - Professor, Universidade de Glasgow (Escócia, Reino Unido)
Guilherme Pires - Assistente Editorial (Lisboa)
Gabriela Gouveia - Alfarrabista (Lisboa)
Andreia Azevedo Moreira - Funcionária Pública / Escreleitora (Carcavelos)
Maria da Graça Moreira
- Comerciante de livros e discos (Sintra)
Paula Marquez Neto - Tradutora (Luxemburgo)
José Alexandre Silvério Murraças - Professor (Nazaré)
Isabel Nunes - Relações Públicas FBAUL (Lisboa)
Maria Antónia Vasconcelos - Editora, Leya (Alfragide)
Fernanda Luísa Feneja - Professora (Sines)
João Laia - Arquitecto (Beja)
Maria do Rosário Pedreira - Editora, blogue «Horas Extraordinárias» (Lisboa)
Laura Mateus Fonseca - Coordenadora editorial / Caminho - Leya (Alfragide)
Bruno Miguel Silva - Designer (Lisboa)
Joana Isabel Gouveia da Cruz Dias - Artista plástica e professora (Queluz - Sintra)
Ana Maria Correia Freitas
- Designer (Lisboa)
Pedro Foyos - Jornalista e escritor, site «casaldasletras.com» (Lisboa)
João Manuel - Bancário (Funchal - Madeira)
António Baptista Lopes - Editor, Âncora (Lisboa)
Afonso Cruz - Escritor e ilustrador (Almadafe, Sousel)
Inês Raposo - Estudante (Idanha-a-Nova)
Célia Maria Salvado Salsinha Gonçalves - Professora (Castelo Branco)
João Castela Cravo - Investigador, CITAD, Universidade Lusíada (Lisboa)
Leonardo Sabino Gontardo Freitas - Técnico de informática (Praia da Rocha)
Aníbal Guerreiro de Sousa - Leitor (Pinhal Novo)
Maria Benedita Fernandes - Socióloga (Algés-Lisboa)
Maria Adriana Nóbrega Simões - Professora aposentada (Setúbal)
Lindolfo Paiva - Músico-poeta-escritor, blogue «de patuleia ser» (Pinhal Novo - Palmela)
Paula Vieira - Livreira (Lisboa)
Miguel Peixoto - Leitor (Porto)
Catarina Pedro - Formadora (Leiria)
André Patrício - Clínico Cognitivo-Comportamental e Integrativo (Lisboa)
Rosa M. Alface - Livreira Independente (Cova da Piedade - Almada)
Carla Galhano - Farmacêutica (Lisboa)
Cristina Pinto - Designer de interiores (Funchal)
Paulo Alexandre Pereira Machado - Farmacêutico (Cartaxo)
Maria Margarida Figueira de Sousa Aguiar França Dória - Educadora de Infância Especializada em Educação Especial (Funchal)
João Carlos dos Santos de França Dória - Médico Veterinário (Funchal)
Ricardo Jorge Simões - Conductor (Jersey, Ilhas do Canal da Mancha)
Catherine Goldscheider - Educatrice Spécialisée (Yerres - France)
Ana Tavares - Professora (Lisboa)
Isabel Almeida - Professora (Lisboa)
Maria Alexandra Gouveia Francisco - Professora (Funchal)
Francisco Homem - Livreiro, Bertrand (Lisboa)
Maria João Lourenço - Tradutora
Cristina Abrantes - Controller (Lisboa)
Libório Manuel Silva - Editor, Centro Atlântico (Portugal)
Joana Jacinto - Bolseira de investigação, blogue «substante» (Lisboa)
Sofia Mirra Bernardo - Revisora principal (assistente editorial) na Leya/Caminho (Alfragide)
Patrícia Cristina dos Santos Tavares de Góis Machado - Professora (Funchal)
António Gregório - Leitor, blogue «Café Central» (Leiria)
José Oliveira - Editor (Lisboa)
Luísa Ramos - Advogada (Funchal)
José Francisco Feição - Key Account Retalho, Leya (Alfragide)
Nuno Jacinto - Compositor e professor (Porto)
João Costa Nóbrega - Arquitecto (Funchal)
Maria Augusta Silva - Jornalista e escritora, site «casaldasletras» (Lisboa)
Nuno Domingos - Investigador ICS (Lisboa)
Abel Rodrigues - Arquivista, Fundação Casa de Mateus (Vila Real)
Ernesto Rodrigues - Escritor e professor universitário (Oeiras)
Pedro Berenguer - Professor de Artes Visuais (Funchal)
Margarida Coimbra - IST Press (Lisboa)
Maria João da Rocha Afonso - Tradutora (Cascais)
Teresa Cid - Professora universitária (Lisboa)
Pedro Medina Ribeiro -
Professor (Lagos)
Maria Lídia Figueira de Sousa - Geógrafa (Lisboa)
Hugo Mamede - Jornalista, blogue «Espalha Factos» (Barreiro)
José Carlos Figueira Miranda - Médico (Lisboa)
Isabel Moura Mendes - Gestão Cultural (Edinburgh, Scotland, UK)
Maria João Saldanha - Designer (Cascais)
Raul Manuel Ribeiro Pinto Cristóvão - Professor (Setúbal)
José Nobre - Actor (Setúbal)
Lena José Câmara Pacheco - Advogada (Funchal)
José António Chocolate - Economista (Setúbal)
António Parente - Aposentado da Administração Pública (Corroios)
Rui A. Faria Viana - Director da Biblioteca Municipal de Viana do Castelo)

[Referências] Cadeirão Voltaire Ainda que os Amantes se Percam... Chapéu e Bengala Pó dos Livros A-de-Mar Capítulos Soltos Livraria livreiro de sines o café dos loucos Nesta hora theca libraria A Especiaria A Ovelha Perdida Estórias com Livros Blogue do Plano Nacional de Leitura irmão lúcia substante

«Tenho 165 anos de prática de livraria - 50 do meu avô, 50 do meu pai e 65 meus.»

Jorge Figueira de Sousa

«Um livro é sempre novidade para quem o vê pela primeira vez, mesmo que tenha sido publicado há 15 ou 20 anos.»

Jorge Figueira de Sousa


sexta-feira, 4 de novembro de 2011

A REVOLTA DAS FONTES (VI)

1

«BRILHANTE» E «MAGNÍFICO»

Registado ontem às 17:15, só à noite pude ver este comentário, aqui no ISTO NÃO FICA ASSIM!, no qual imediatamente sublinhei e não gostaria de sublinhar só para mim estas palavras:

«Estou a divulgar amplamente o "comunicado" brilhante do Jaime Bulhosa, que sucintamente diz tudo o que é essencial»;

«E deixo também os meus parabéns à Isabel Castanheira pelo magnífico trabalho e legado que a todos nós vai inspirando (…)».

Adjectivos de aplaudir e voltar a aplaudir, por bem empregues: «brilhante» e «magnífico».

Entretanto, este receio que sempre tenho da facilidade com que nos blogues se pode passar ao largo dos comentários...

É evidente que li também os outros comentários e vir aqui em post sublinhar este, não é para dizer que se podem dispensar os «comentários». De quem preferir e quando for preferível, o meu voto é de que apareçam entre nós, os que andamos neste barco, muitos comentários. Bem precisamos. Mas…talvez os postes tenham mais impacto. Talvez… Mesmo sendo simples comentários e não mais do que isso, como no meu caso neste momento.

Terei razão?
Por exemplo, neste mesmo comentário de Sandra Simões (podia também ser um dos outros)…
Vamos reler…

Para além das referências que sublinhei, aos textos de Jaime Bulhosa e Isabel Castanheira e à sua ampla divulgação, a divulgação a que também e no mesmo dia vem juntar-se o http://blogtailors.com/, não se está a ver que muito mais longe vai este comentário?
Quero crer que finalmente e em colectivo se vai tocando nos pontos nevrálgicos.
Ainda bem!

2

«DE LAMÚRIAS»

«ATÉ SE RIEM»

E este prazer de o celebrado livreiro Antero Braga, em amizade e solidariedade, nos trazer uma sua posição que imediatamente vem lembrar a que tomou numa entrevista que deu por altura da Feira do Livro do Porto?!

A situação económico-financeira está num ponto, feliz-infelizmente, que só os tolos e os loucos é que podem agora dar-se ao luxo de rir.

Evidentemente que também as crianças, esse nosso único futuro, a não ser que pertençam ao enorme grupo daquelas que a morte por fome e outras horrorosas condições de vida todos os dias nos obriga a ter vergonha da nossa impotência perante a iniquidade... Só para dizer que não se duvida de que as nossas lamúrias têm de ir para mais longe e com muita gente que por aí anda pior do que nós.

Acho que o meu lugar é o do lado dos loucos.

Acho porquê?

É assim um bocado..., podia passar à frente, mas se hoje não me arriscar a dizer o que penso, mesmo que tenha de arrepender-me num incerto amanhã, o bocado de estupidez ainda é maior, total.

Estou de acordo em que não é com lamúrias que os problemas se resolvem. Aquela das Selecções da juventude sempre a recordo com gosto: «Rir é o melhor remédio».

E agora aqui vai a razão fundamental de sentir que dizer o que penso «é assim um bocado…».

De mim para mim já venho há tempos a esfregar as mãos pelo novo mundo que está a germinar no meio da podridão. Começamos a saber que as finanças se ocultaram no conceito de economia, para a dominar em vez de servir. Que a rentabilidade a que chegou o dinheiro dá pelo nome de usura, uma actividade desde sempre considerada crime e que absorveu até limites de loucura o valor das coisas. Não há já «inter pares» o cuidado de evitar dizer publicamente que as leis estão mal feitas, que não há neste nosso mundo políticos que sejam líderes à altura. E mais e mais, mais, mais, mais… Não vai ser o meu tempo? Não vou na tristeza que infunde ler o final de A Criação do Mundo de M. Torga.

Não posso evitar este sentimento de confiança no processo da evolução que numa visão de longo prazo foi sempre positivo. As grandes crises! Cheio delas, o processo de evolução geológica, biológica, histórica!

Não me ponho a esfregar as mãos, porém, nem por ódio aos ricos nem por amor aos pobres. Uns certamente mais coitados do que outros, mas todos nós o quê, perante o nosso passado e o nosso futuro? Sei que o meu lugar neste mundo cão é absolutamente insignificante e que tudo o que eu sinta, pense, diga ou faça em nada altera a realidade. Nem preciso de ir a nenhum espelho para perceber que esta é a maneira realista de olhar para o meu umbigo.

Riam-se os ricos, enquanto o alfinete não lhes fura o balão. Eu já vi e fez-me baixar a cabeça em aprendizagem de pesada lição.

Chorem os pobres, pois o grito nem sempre nem para sempre se pode negar à dor. Não era para aqui, pois não? Pouco protocolar. Ou condizente com a natureza humana que também nós trazemos para a livraria diariamente e donde, está é verdade, depende muito do que fazemos e ambicionamos fazer? «Um livreiro não vende livros, vende muito mais…».

Deixem-me dizer quanto aprecio estas palavras:

«Compro, vendo e pago, daí que nada temo»;

E quanto respeito a sabedoria das que se lhe seguem:

«Na vida nada é eterno. Aguardar o futuro é o melhor. Grandes impérios também caem, a história prova isso.»

Mas não nos conformemos, nem nos sujeitemos, nem deixemos que os tolos ignorem que amanhã alguém se vai rir deles. Digo tolos como quem diz gente perigosa, arrogante e má, uma estirpe difusa não só entre os que governam, mas também entre os governados.

Será que me distanciei demasiado e indiscretamente do que nos diz respeito?

Talvez seja o caso, por isso vou sair e já volto com outro casaco. Até porque é meu desejo que muita gente venha ao palco e assim me retarde uma nova entrada.

M. Medeiros - Culsete

Chega de lamúrias

«Chega de lamúrias, pois aqueles que não gostam de cultura nem de livros, mas que governam o sector, até se riem da nossa postura. Por mim, tenho força para desmascarar em público essas empresas. Compro, vendo e pago, daí que nada temo. Na vida nada é eterno. Aguardar o futuro é o melhor. Grandes impérios também caem, a história prova isso.»

Antero Braga - Prólogo / Lello

quinta-feira, 3 de novembro de 2011

A REVOLTA DAS FONTES (V)


LIVREIROS PORTUGUESES:

UM ENORME ORGULHO


O CONGRESSO DO LIVRO, algo de inédito entre nós e extremamente significativo (Praia da Vitória, 28 e 29 de Outubro p. p.), talvez antes do acontecimento não tenha sido falado entre uma grande parte das Gentes do Livro tanto quanto devia, embora tenha havido quem lesse, por exemplo, a pág. 36 da revista Os Meus Livros do mês de Outubro.
O Congresso do Livro não disse muito antes, mas acabou por dizer agora, vindo a grande assunto entre nós, livreiros independentes, com a publicação das relevantes intervenções de Isabel Castanheira e de Jaime Bulhosa, cuja publicação uma e outro concederam ao ISTO NÃO FICA ASSIM!, blogue do Encontro Livreiro.
Muito, muitíssimo obrigado, por este sentimento de orgulho que me fizeram sentir. Um momento de enorme orgulho por pertencer a um grupo profissional que assim se vê quão respeitável continua a ser, apesar de…
O passado é o passado, com o que foi e com o que podia ter sido. O que espero da crise da situação do livro e das livrarias? Um grupo profissional cada vez mais consciente de que é preciso e é possível descobrir novos caminhos para a mesma ou mesmo mais competente e eficaz dedicação ao livro e à leitura.
Tanto que há que fazer e se pode fazer! Por favor, não voltemos a cair no velho erro de que com leis é que a situação actual do livro e da leitura vai mudar! Por favor, não esperemos a protecção dos outros enquanto não acreditarmos em que somos nós que devemos inventar as nossas soluções! Por favor, não deixemos cada um à mercê da vaga, quando bem se sabe que só associando-nos podemos resistir e progredir!

M. Medeiros

quarta-feira, 2 de novembro de 2011

«Devemos lembrar que a indústria do livro é feita de pessoas, que publicam e lêem, têm sentimentos e emoções.»

«Penso ainda que os governos devem ver as livrarias como um ganho cultural para a comunidade. É essencial manter livrarias de portas abertas nas principais artérias das cidades. Fazem parte do tecido económico e social das principais zonas das cidades, tal como outras lojas.»

J
ohn McNamee, presidente da Federação Europeia de Livreiros.

«Um livreiro não vende livros! Um livreiro vende muito mais, numa caixa chamada livro»

«Eu volto, espero voltar, ao texto aonde fui por estas palavras, melhor dito, por esta bandeira, a qual gostaria de ver à frente de um exército, como naquela estória de «O Decepado» da História de Portugal. Não para a algum alferes-mor lhe serem cortadas as mãos mas para que as Gentes do Livro se quisessem entender, ao menos aqueles que estão nisto, antes de mais, por amor à arte. (...)»

L.V., Chapéu e Bengala.

«As coisas devem estar no seu lugar.»


«As coisas devem estar no seu lugar. Publicar textos que têm a ver com a vida de livreiro, como profissional, no blogue destinado aos clientes não será a melhor das opções. Por isso, criámos o novo blogue Livreiro de Sines que, embora possa ser seguido por toda a gente, os seus textos não vão incomodar clientes cujo interesse são os livros e a Literatura.
Para esses continuamos aqui com as nossas notícias e outras novidades.
Obrigado pelo seu apoio»

A das Artes, 1 de Novembro de 2011.

«Acabam de atribuir este prémio a alguém que se viu forçada a fechar a sua livraria mas que nunca deixará de se considerar uma livreira.»

Foto de Gazeta das Caldas

A começar, permitam-me que exprima o meu sentido agradecimento pelo prémio que acaba de me ser atribuído pela Associação Portuguesa de Editores e Livreiros.
Atrevo-me agora a pedir alguns momentos da vossa atenção e a vossa benevolência para poder partilhar convosco um pouco do meu actual sentir.
Durante mais de 35 anos fui responsável por uma pequena livraria nas Caldas da Rainha e através dela pude concretizar, com êxito, um projecto que tinha por base um gosto de sempre, o profundo amor pelos livros.
No último dia do mês de Setembro do ano em curso, a Loja 107 encerrou as suas portas.
Não porque eu o tenha desejado, mas porque a isso fui obrigada por força de vários factores condicionantes desta especifica actividade e altamente prejudiciais ao normal funcionamento de uma livraria com as características da minha.
E não me estou a referir às tecnologias por muitos apontadas como um desses factores nem às mais modernas técnicas de marketing que pretendem fazer passar a mensagem que todos os livros agora publicados são, para além de grandes êxitos editoriais, obras que todos ansiavam por ler.
Há a crise, claro que há, o que num país como o nosso faz com que o livro seja colocado, obrigatoriamente, numa posição secundária perante as necessidades básicas do dia a dia de cada família.
Mas o que afectou decisivamente a actividade comercial da minha livraria foi, sem dúvida alguma, a brutal concorrência escudada no total desregulamento da comercialização do livro.
As livrarias não podem concorrer com as condições de oferta praticadas pelas grandes cadeias de distribuição, pelos grupos livreiros, pelas vendas
on-line, nos Correios, nas feiras e feirinhas, em bombas de gasolina, pelas vendas levadas a cabo pelas próprias editoras, etc.
E apesar dos preços por todos estes intervenientes praticados, uma certeza eu tenho: ninguém, nenhuma destas entidades, vende os livros com prejuízo.
Este tipo de concorrência e de comercialização é fatal para uma pequena livraria.
Mas que digo eu, Senhores Editores e Distribuidores? Os senhores sabem bem o que se passa. Não estou a dar-vos novidade nenhuma. E já agora, que vem a talhe de foice: ainda está em vigor uma certa Lei do Preço Fixo, que há uns anos atrás tanta celeuma levantou?
Acabam de atribuir este prémio a alguém que se viu forçada a fechar a sua livraria mas que nunca deixará de se considerar uma livreira.
Que significado se poderá atribuir a este facto peculiar e aparentemente contraditório? Se algum houver a retirar daqui, que seja a ideia de que não podemos encarar como normal, ou como inevitável, o sistemático desaparecimento das pequenas livrarias que são, na maior parte dos casos, também agentes culturais locais.
Antes de terminar, permitam-me ainda um pouco de futurologia: o que se vislumbra no mercado livreiro deste país? Três ou quatro grupos editoriais a negociarem com três ou quatro grupos livreiros. Como consumidora, não me seduz esta visão que prenuncia um formato comercial demasiadamente uniformizado e pouco estimulante numa perspectiva cultural.
Para o tempo que vos roubei e para o que talvez possa ser tido como uma quebra no protocolo, peço uma vez mais a vossa compreensão.
Mas se não dissesse o que acabei de vos dizer, não me sentiria merecedora do prémio de Livreira com que acabaram de me distinguir.
E se me permitem, agora mesmo a finalizar e plagiando o Professor Carlos Fiolhais, direi, quando me perguntarem o que fiz pelo meu País e pela minha Terra, direi com muito orgulho, que divulguei livros e partilhei leituras.

Muito obrigada.

Isabel Castanheira

[Palavras ditas no I Congresso do Livro, realizado nos dias 28 e 29 de Outubro de 2011 em Praia da Vitória, Açores, aquando da entrega do Prémio Livreiro].