segunda-feira, 31 de março de 2014

O V Encontro Livreiro em imagens e algumas palavras




No domingo, 30, tivemos na Culsete o anunciado Encontro Livreiro, em quinta edição. Alguns participantes chegaram ainda de manhã, ajudando a dar os retoques finais na sala. Os restantes começaram a chegar pelas 15:00 h, conforme programado. Estiveram representados livreiros, editores, trabalhadores do livro em diversas áreas, investigadores, autores, bloggers, jornalistas, leitores.

Depois das boas vindas e apresentação do programa, passou-se à entrega do diploma Livreiros da Esperança, atribuído a Antero Braga, da Livraria Lello, no Porto, sempre um momento alto do Encontro. De seguida, Nuno Medeiros leu o chamado texto oficial do V Encontro, reflectindo sobre as livrarias no presente e no futuro, dando assim o mote para a discussão posterior, que foi viva e muito participada, mostrando diferentes perspectivas e olhares.

O Encontro começou ao som da voz e da guitarra de Henrique Silva e decorreu entre cálices de Moscatel de Setúbal. Foi positivo, deixou no ar muita coisa para reflectir, para amadurecer, para procurar fazer. O relato oficial será redigido, como sempre desde o terceiro Encontro, por Rosa Azevedo. Ficam aqui apenas as primeiras impressões.



Luís Guerra, um dos “pais” do EL, chega antes das 15:00 h e calmamente aguarda a chegada dos restantes participantes.


Com ele veio o Manuel Guerra, preparado para tirar as melhores fotos do Encontro, deixando estas com vontade de desaparecerem para sempre.


Os livreiros do norte chegaram por volta do meio dia e aproveitaram para almoçar um belo peixe assado. Vieram a Virgínia do Carmo (na foto) e a Alice Pires, da Poética, em Macedo de Cavaleiros, e o António Alves, da Traga-Mundos, em Vila Real.


Pouco depois chegava a delegação de Lisboa, a Andreia Azevedo Moreira, o Francisco Belard e o Nuno Fonseca.


O Joaquim da A das Artes, em Sines, ao chegar encontrou logo o José Francisco.


Francisco Belard aproveita para o último cigarro junto a uma das montras da Culsete.


Henrique Silva prepara-se para nos encantar com…


… os acordes da sua guitarra e a sua voz.


Ainda há tempo para espreitar as estantes.


Baptista Lopes, da Âncora, participa pela primeira vez no EL.


Os sorrisos e olhares brilhantes de Maria Clementina, Rosa Azevedo e António Alves fazem adivinhar um bom Encontro.


Por toda a livraria surgem conversas…


… conversas…


… e mais conversas.


E leituras atentas. A leitora é Marisa Cordeiro Rodrigues, da Livraria Espaço, em Algés, que saudamos especialmente por ser uma estreia no Encontro Livreiro e também pelo 50.º aniversário da sua livraria, um espaço de leitura aberto por seu pai e que Marisa continua a desenvolver com as irmãs.




Há ainda espaço para esperar serenamente, de sorriso nos lábios…


… ou rindo abertamente, como Caroline Tyssen após o encontro com Antero Braga.


Finalmente, o EL vai começar e todos procuram um lugar.


Depois das boas vindas dadas pela anfitriã, Fátima Ribeiro de Medeiros, é a vez de Rosa Azevedo introduzir o programa deste EL…


… passando a palavra a Luís Guerra, que apresenta o primeiro momento alto da tarde…


… a entrega do diploma Livreiros da Esperança 2014 a Antero Braga, da Livraria Lello, no Porto.


O homenageado agradece o Diploma e produz um discurso em que refere algumas questões pertinentes para o debate que se seguirá, ideias que Antero Braga retomará ao longo da tarde.



Rosa Azevedo volta a pegar na palavra para introduzir o segundo momento alto do EL, a leitura do considerado texto oficial do V Encontro, pedido a Nuno Medeiros.


Nuno Medeiros lê o seu texto, uma brilhante reflexão sobre o presente das livrarias e como se pode perspectivar o seu futuro, passando por uma referência ao passado. Depois desse momento a discussão abriu-se a todos os presentes que quiseram intervir.



Joaquim Gonçalves lê a sua divertida e irreverente paródia, uma metáfora inteligente sobre o momento presente.


Toma depois a palavra Virgínia do Carmo, da Poética, em Macedo de Cavaleiros, para falar sobre os Encontros Livreiros de Trás-os-Montes e Alto Douro…


… para voltar a Antero Braga…


… que entrega o microfone a Fernando Alagoa, sob o olhar atento de Caroline Tyssen.


Depois de Rosa Azevedo ter lido mensagens de Dina Ferreira, da Poetria, no Porto, de Maria de Lurdes Santos, da Esperança, no Funchal, de Eduardo de Sousa, da Letra Livre, em Lisboa, e de Francisco Madruga, da Calendário de Letras, em V. N. de Gaia, é a vez de Maria Clementina ler a mensagem enviada por Daniel Melo.


Francisco Belard dá também o seu contributo…


… passando a palavra a José Soares Neves, uma estreia no EL.


Outros foram falando, repetindo intervenções e reafirmando opiniões, até que Caroline Tyssen teve de despedir-se, dizendo breves palavras e encenando um passe de dança com Antero Braga que acabou em abraço.


Ainda houve tempo para ouvirmos José Gonçalves…


… Jónatas Rodrigues…


… e António Manuel Venda.



Demos então por concluído mais um Encontro Livreiro, o quinto. No final ainda houve tempo para as últimas conversas. Depois alguns de nós partiram ao encontro do óptimo choco frito, o que também já é uma tradição, mas disso não temos reportagem.

Até 2015, no último domingo de Março, para o VI Encontro Livreiro.


FRM, Papel a Mais (blogue da Livraria Culsete).

Sem comentários:

Enviar um comentário