terça-feira, 22 de abril de 2014

O que faço aqui? – O V Encontro Livreiro por Andreia Azevedo Moreira


Desde o Encontro Livreiro do ano passado que ando a matutar: «Qual é o meu papel aqui? Em que posso intervir?» O meu ponto de vista, quando vos venho ouvir, é o de Leitora e embora não tenha participado falando, recuso ser mera testemunha. É do meu feitio se sinto haver desacerto, ou mal-estar, impor-me uma qualquer acção. Insignificante que seja. Neste caso sou o burro a olhar para o palácio porque, além do óbvio, não descortino o que mais poderei fazer para contrariar a tendência actual. A partir do momento em que reflecti sobre este assunto e o adoptei como um dos que me importa e preocupa, arregacei mangas para o que se encontra ao meu alcance. Ganhei maior consciência de que as minhas opções individuais têm importância, sim, e que mesmo sendo gota de água, o meu mililitro de contribuição pode fazer a diferença. Compro os meus livros, na sua maioria, em livrarias independentes. Nesta área, como em outras, também falho. Às vezes uma pessoa está com pressa e tem ao pé o que precisa e pronto. Para mim, essa será a excepção que confirma a regra. Tenho noção exacta do que tem acontecido a demasiadas Livrarias independentes, por uma grande parte dos Leitores se render ao comodismo das estantes fáceis. 

Em Setembro de 2008 falaram-me de uma Livraria que ficava no Rato. O nome por si só era prometedor: «A Trama». Aí encontraria uma publicação de poesia, a Criatura, que me apaixonara com o texto anónimo que lhe servia de mote. Começava assim: Não precisas de explicar ou dar nome a um movimento para fazeres as coisas moverem-se. De Setembro de 2008 a Junho de 2010 «A Trama» foi a minha livraria. Nessa altura, como agora, o orçamento doméstico não permitia grandes desvarios, por isso, guardava-me para lá ir em busca das leituras que me faltavam. Era um imenso prazer falar com a Catarina Barros e com o Ricardo Ribeiro. Perguntar-lhes o que achavam deste, ou daquele livro. Sentia-me orgulhosa quando seleccionava sozinha volumes e eles me sorriam cúmplices, aprovando a(s) escolha(s). Seria difícil que não o pudessem fazer. Todas as capas em destaque eram a melhor Literatura. Trabalho deles, essa criteriosa selecção. Passeava enamorada pelos títulos, maldizendo a falta de um plafond maior. Olho para as minhas estantes e sei cada livro que lá adquiri. Não foram poucos. Deviam ter sido muitos mais. A Trama fechou e não me esqueço dela, nem dos dois Livreiros, como não se esquece um amigo importante que partiu, deixando-nos com a saudade. Este foi, neste contexto, o primeiro grito ensurdecedor que me atingiu certeiro. 

(Apercebo-me, neste momento, que fechou a «Livro do Dia» em Torres Vedras que nunca cheguei a visitar, apesar da vontade, o que me deixa desolada.) 

O que é que a Trama tinha de especial? A intimidade. O ser um ponto de venda de livros, mas também um local de discussões profícuas, de aprendizagem, de convívio, de arte, do saber, de enriquecimento intelectual. Lá conheci pessoas estimulantes como a Rosa Azevedo, a Raquel Ochoa, a Rita Pedro, a Ana (Uma senhora de oitenta e tal anos que ainda se atirava a workshops de escrita criativa, recusando a solidão e a velhice.) entre muitas outras. Foi naquele espaço que reconheci, à distância, o Fallorca que acompanhava no blogue «O Cheiro dos Livros» cuja notícia da morte recente muito me entristeceu. Passeei os olhos por exposições de fotografia e outras. Dei mais uns passos neste trilho desmedido que é a Literatura. Lá amadureci enquanto Leitora. 

Falou-se disso neste Encontro Livreiro. Por que preferir as Livrarias independentes aos gigantes? Precisamente por isto. Nenhum Golias me marcará, ou ensinará, desta maneira. Os laços, o contacto directo e estreito com quem pretende comprar bons livros, a vontade de promover o encontro entre as gentes que os amam, de trocar ideias, de difundir a leitura e os bons autores, só poderá ser concretizada por pessoas apaixonadas e conhecedoras: os Livreiros. Muito dificilmente máquinas comerciais com líderes que são exclusivamente gestores e não se comovem com histórias de amor aos livros, como se preocupam com lucros, farão tanto por eles, pela leitura e pela Literatura. 

Exemplifico uma pequena parte da cadeia que já se criou na minha vida graças às livrarias independentes e às pessoas a elas ligadas: 

Na Trama frequentei dois cursos de Literatura com a Rosa Azevedo. Fiquei de olho nela, como pessoa a seguir, por ter entendido que dela virá sempre aprendizagem útil e refrescante. Entretanto, a Rosa organizou um ciclo de encontros que se intitulava “Para acabar de vez com a Leitura”. Iniciativa singular que muita falta me faz. Numa das sessões vi, pela primeira vez, o Luís Guerra. Homem dedicado aos livros, às letras e aos afectos que já muito me trouxe e que adorei conhecer, na Culsete, o ano passado, sem o filtro da virtualidade. Ele é o que se vê online e é alguém que nos enriquece a vida. Graças a ele tenho-me cruzado com outras pessoas marcantes, como o divertido Joaquim Gonçalves da «A das Artes» que por muito negra que se encontre a actualidade, acha os meios para arrancar um sorriso a quem o rodeia e para não perder o seu; o Nuno Fonseca e o Francisco Belard a quem o Luís tratou de arranjar boleia (a minha) para este quinto Encontro Livreiro, o que me proporcionou muitos minutos de conversa boa. Na «Pó dos Livros» frequentei um curso (Com a Rosa. Lá está.) sobre Surrealismo que me aprofundou o encantamento por Mário Cesariny, Alexandre O’Neill e António Maria Lisboa. Na «Ler Devagar» tive umas luzes sobre ficção para TV, com o vibrante filipe Homem Fonseca a quem continuo a acompanhar à distância. O Ricardo Ribeiro continua a ser o meu Livreiro de eleição, mesmo sem poiso fixo. Aquele a quem recorro e em quem confio. Tudo o que diga ficará aquém do quanto já ganhei nesta rede, sob o tecto acolhedor de Livrarias Independentes e pelas mãos empenhadas e amigas dos respectivos Livreiros. 

Um povo com Cultura terá maior capacidade para reflectir, ripostar e exercer o seu pensamento de forma livre. Não é possível submeter-se quem raciocina, está informado, sonha fora dos parâmetros, imagina e vislumbra além do que é imediato. Fornecido mastigado. É inestimável e fundamental o uso que os Livreiros fazem das suas Livrarias, na divulgação da nossa Cultura. 

O que faço perante um problema que considero também meu? 

1) Compro os meus livros em Livrarias Independentes. 
2) Divulgo, insistente, as livrarias que visito. 
3) Quando ofereço um presente a alguém dou primazia ao livro. 
4) Recomendo leituras. 
5) Leio aos meus filhos e conto-lhes histórias. 
6) Sensibilizo os que me rodeiam para a temática. 
7) Compareço, quando posso, nas iniciativas que as Livrarias dos meus afectos promovem e tento que me acompanhem amigos. Divulgo. 
8) Prefiro o papel ao digital. 

Reforço o apelo que já um dia fiz. Ajudem-nos a ajudar-vos. O que podemos, enquanto Leitores, fazer mais? 

Se a união dos Livreiros Independentes fará a força, essencial à sua sobrevivência, também é verdade que trará pujança à luta, a sensibilização dos Leitores para esta causa. Explicar-lhes o que está em jogo, o que perderão assim desapareça esta forma de olhar para os Livros e o quanto têm a ganhar ao entenderem que viver a Literatura é muito mais do que a mera compra do objecto. 

(Perdoem se me alonguei.) 

Finalizo dando os parabéns ao Antero Braga, da Livraria Lello, por esta justa homenagem a 46 anos de dedicação aos Livros, à Literatura e de serviço aos Leitores. 

A todos os que referi e aos que estão implícitos o meu MUITO OBRIGADA. 

Um abraço amigo. 

21 de Abril de 2014 

Andreia Azevedo Moreira, Escreleitora, Carcavelos.

Sem comentários:

Enviar um comentário