segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

EI-LO, FINALMENTE, O CARTAZ DO VI ENCONTRO LIVREIRO

 

encontro livreiro

 


Aqui está ele, com o traço inconfundível do Pedro Vieira (obrigado, amigo!), o cartaz do VI ENCONTRO LIVREIRO, a realizar na Culsete, em Setúbal, no próximo dia 30 de março, às 15 horas.
Agora é reproduzi-lo e espalhá-lo pelos quatro cantos do mundo dos livros e dos leitores.
Com ele divulgamos também o tema do texto do Encontro, a cargo de Nuno Seabra Lopes:

NOVOS MUNDOS, NOVOS LEITORES – A ALTERAÇÃO RADICAL NO MUNDO DO LIVRO.


Tema abrangente, permitindo um grande leque de reflexões, pareceres e opiniões, vai, certamente, levar a interessantíssima troca de ideias.
Vá já pensando no que tem a dizer sobre as questões que o tema suscita e surpreenda-nos no dia 29.

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015

LUIS ALVES DIAS, O LIVREIRO DA ESPERANÇA 2015

Este ano o Encontro Livreiro resolveu homenagear não só um grande livreiro, Luís Alves Dias (1932 - 2015) da livraria Ler em Campo de Ourique, Lisboa, como também a continuidade dada ao seu projecto pelo seu filho, Luís Alves, que herdou do pai a resistência e dedicação aos livros, sendo, além de livreiro, também editor.




Luís Alves Dias começou a trabalhar em livraria na Aillaud & Lello da Rua do Carmo quando tinha apenas 13 anos. Aí se apaixonou pelos livros e pelo trabalho de livreiro. Foi essa, segundo palavra suas, a sua universidade. Aí conheceu grande parte dos intelectuais que frequentavam os   meios livreiros naquele tempo. Em 1959 foi trabalhar para a Livraria do Diário de Notícias, no Rossio, e em 1963 integrou o grupo que fundou o Centro do Livro Brasileiro, compatibilizando o trabalho de livreiro com as encomendas de livros para o Brasil.

Em Fevereiro de 1970 abre ao público a livraria Ler e aí viverá um longo historial de luta contra a censura. Muita gente, de muitos lados, aí acorria para comprar os livros apreendidos que sempre soube esconder, não sem alguns riscos.

A Ler, que nunca deixou de ser considerada pelos moradores de Campo de Ourique como uma livraria de bairro, dada a proximidade com as pessoas que ali viviam, viu, com o passar dos anos, a sua influência espalhar-se a toda a cidade tornando-se uma livraria de referência em Lisboa, um exemplo de resistência e persistência a seguir. Foi também uma livraria com um forte papel social, ajudando muitos que não conseguiam comprar os livros a ter, ainda assim, acesso à leitura.

Luís Alves Dias foi um exemplo de persistência e verticalidade. A Livraria Ler foi e continua a ser um sinal de esperança, “uma pequenina luz bruxuleante / não na distância / aqui no meio de nós”.

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

LIVREIRO DA ESPERANÇA 2015

 

Luis Alves Dias

Luís Alves Dias em fevereiro de 2011

Desde 2012, o movimento ENCONTRO LIVREIRO homenageia os livreiros portugueses através do diploma LIVREIROS DA ESPERANÇA. Trata-se do reconhecimento das gentes do livro do papel de uma classe profissional fundamental no desenvolvimento da leitura.
Em 2015 o ENCONTRO LIVREIRO vai homenagear o livreiro LUÍS ALVES DIAS da livraria LER, de Campo de Ourique, Lisboa.
A decisão de entregar este diploma a Luís Alves Dias foi tomada logo após o V ENCONTRO LIVREIRO. Não queríamos que fosse uma entrega póstuma, mas o destino atraiçoou-nos.
Luís Alves Dias fundou a Ler em fevereiro de 1970, há precisamente 45 anos. Mas a sua morte não compromete o projeto da livraria, que continua bem viva sob a batuta do filho do livreiro, o editor Luís Alves.
Luís Alves Dias vem, assim, prolongar a lista de LIVREIROS DA ESPERANÇA, juntando-se a Jorge Figueira de Sousa (Livraria Esperança, Funchal), Caroline Tyssen e Duarte Nuno Oliveira (Livraria Galileu, Cascais), Antero Braga (Livraria Lello, Porto) e Fátima Ribeiro de Medeiros e Manuel Medeiros (Livreiro da Esperança Especial Culsete - 40 Anos, Setúbal).
No próximo dia 29 de março, venha ao VI ENCONTRO LIVREIRO aplaudir o trabalho de Luís Alves Dias.